08 outubro 2009

Irmãos, amigos e vice-versa

Cansada das aventuras da família Adams tropical e decidida a não mais perder o meu tempo com bobagem ; quero comentar a coluna semanal de Jaime Bayly no jornal Peru 21.
A coluna desta semana trata do relacionamento dele com os irmãos.
Começa dizendo que quando uma criança nasce no meio de uma família com muitos irmãos, todos esperam que entre eles exista, por força genética um laço forte de amizade e de compromisso, mais sólido que tudo nesse mundo.
Isso é o que todo mundo espera, entretanto, as vezes é muito complicado ser verdadeiramente "Amigo "dos nossos irmãos.
A teoria dele faz bastante sentido,é real e interessante, vejam:
"Para que os irmãos sejam amigos é necessário antes de tudo, que o vinculo de "irmandade"seja descartado. Porque a partir dali nasce a compreensão de que a amizade é um sentimento superior ao da fraternidade ; um sentimento que faz parte de uma escolha voluntária que pode ser renovada e fortalecida dia a dia .
Ao contrario dos laços de sangue , impostos pelo destino como acidentes genéticos, que não garantem o florescimento de amizade entre os indivíduos."
É normal e perfeitamente aceitável, escolher não ser amigo de todos os irmãos, assim como é normal termos amigos que nos amam mais do que se tivéssemos nascido da mesma mãe.
O laço de sangue não garante o afeto...
Eu não vou mais querer ser amiga de todos meus irmãos ( isso está me deixando maluca), mas vou ser a melhor amiga dos irmãos que escolhi para ser os meus amigos.
Assim como estou disposta a ser a melhor amiga dos amigos que me tem como uma irmã.

3 comentários:

Renata disse...

Profundo demais isso. Mas acho que faz sentido sim.

Micho en el pais de las maravillas disse...

Todo sentido do mundo!
Por isso você e o Fabrício são meus irmãos escolhidos do coração.

Anônimo disse...

Flaquita,
Por eso te quiero tanto.
Porque si pudiera escoger alguien para ser mi hermana,serias tu.
Sabes que eres mi hermana del alma.
Elegida mil veces.
Besos fraternos:
Genio in LA